18 de março de 2009

A maneira de pensar da Esquerda jacobina

No caso do combate à SIDA, as posições oficiais da Igreja Católica, expressas por Sua Santidade o Papa Bento XVI são mais ou menos as seguintes e por ordem de importância:
  1. Praticar a "Castidade";
  2. Fidelidade para toda a vida entre parceiros;
  3. Nunca usar preservativo.

Ora bem:
O primeiro ponto muito poucas pessoas o praticam, mesmo as religiosas! A esquerda aplaude e eu também.
O Segundo ponto uma grande maioria não o pratica (Basta ter tido mais de uma namorada). A esquerda aplaude. Eu não aplaudo, mas já levo boa conta de namoradas.
Mas quando chegamos ao terceiro ponto e de acordo com as posições da esquerda jacobina, as pessoas que:
- Não seguem o primeiro ponto - recusam a castidade aconselhada pelo Papa;
- Não seguem o segundo ponto - Recusam assumir a fidelidade perpétua aos parceiro;
Quando chega ao uso do preservativo não o utilizam pela única razão, e apenas e só porque, o Papa assim o determina.

Ou seja para a esquerda Jacobina, o facto de as pessoas não gostarem do preservativo, ou não se sentirem à vontade com ele, ou apenas gostarem de arriscar, não conta. De acordo com ela, todo e qualquer ser humano que numa relação sexual não use preservativo, fá-lo única e exclusivamente porque a Igraja Católica o impõe.

Para a esquerda Jacobina, se um Muçulmano, Hindu, Animista, Xintoísta, Confuncionista, Budista não usa preservativo deve-se unicamente ao facto de o Papa assim o determinar, mesmo que estes nem sequer saibam o que é um Papa, nem o que ele diz.

1 comentário:

Orlando disse...

O problema é que doenças mortais, como o vírus do HPV, transmitem-se apesar do preservativo (pelo contacto da pele). O Papa não disse nada que não seja - pelo menos parcialmente - verdade.